Rede de instituições inicia doação de EPIs para saúde

A rede de instituições de ensino superior, empresas e pessoas físicas que se formou para produção de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), destinados a profissionais de saúde que atuam no combate à pandemia de coronavírus em Goiás, iniciou a doação de máscaras de proteção (FaceShields), confeccionas em regime de colaboração. A rede conta com mais de 40 participantes, que, diariamente, produzem mais de 120 máscaras.

As doações serão destinadas aos hospitais e instituições que estão atuando no tratamento de pacientes com a Covid-19, entre eles: Hospital das Clínicas, Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), Hospital de Campanha (HCamp), Hospital Estadual de Urgências da Região Noroeste de Goiânia Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), Hospital Estadual de Urgências de Aparecida de Goiânia Caio Louzada / IGH (Huapa), Maternidade Oeste, Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER), Hospital Araújo Jorge e Santa Casa de Misericórdia de Goiânia, entre outros.

Prevenção

“Essa máscara serve para evitar a transmissão do vírus para os profissionais de saúde. Sem essa ação conjunta para produção e doação seria mais difícil disponibilizar os equipamentos, devido à alta demanda e à suspensão de várias atividades”, comenta o professor Marcos Lajovic, coordenador do Mestrado em Engenharia de Produção e Sistemas (Mepros) e do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), que representa a PUC Goiás na iniciativa deflagrada pela Universidade Federal de Goiás (UFG).

Na PUC Goiás, a produção das peças, em impressoras 3D, para montagem dos protetores é feita no Laboratório de Prototipagem Avançada do Mepros. De lá, são levadas para o IPE Lab, da UFG, onde ocorre a montagem final, validação, higienização e encaminhamento para doação para as unidades de saúde do Estado. Além das impressoras 3D, uma máquina de corte a laser também é utilizada na produção.

Retorno para sociedade

Coordenador da rede IPE Lab e do Parque Tecnológico do Câmpus Samambaia da UFG, Luizmar Adriano Júnior explica que essa é uma iniciativa que está ocorrendo em todo o mundo. Segundo assinala, esta é uma ação que beneficia a própria sociedade, permitindo uma maior compreensão sobre a importância das universidades e sua capacidade de produção. “Há uma maior aproximação maior entre as instituições e a comunidade, que nos permite criar vínculos para o período pós-pandemia” assinala.

“Nossos pesquisadores, ombreados com pesquisadores de outras instituições, acolhem as demandas deste momento de emergência sanitária para fortalecer o conceito da ciência e da tecnologia em atenção às necessidades da população. Sem dúvida, ações desta natureza revelam o importante papel das universidades, produtoras do conhecimento, a serviço da sociedade”, destaca a prof. Milca Severino Pereira, pró-reitora de Pós-Graduação e Pesquisa da PUC Goiás.

Participe também

Além da PUC Goiás e da UFG, esta com IPE Lab e outras unidades, integram a rede o Instituto Federal de Goiás (IFG), o CRER e outras instituições e departamentos. Se você quer participar desta rede de solidariedade, acesse https://bit.ly/34b7wif.

 

Leia Mais
Prazo para inscrição de iniciação científica é estendido